” A Incrível História de Adaline” para românticos – Crítica

, Filmes

 

Adaline Bowman ( Blake Lively, Gossip Girl) viúva e com uma filha, tinha 29 anos quando em 1937 sofre um acidente de carro que – através de teorias mirabolantes que só vão ser descobertas em 2035 – a torna imortal. Nos dias de hoje, aos 107 anos, e com a  filha na casa dos 80, ela se vê triste e incapaz de criar laços afetivos com outras pessoas, até conhecer Ellis Jones ( Michiel Huisman, Game of Thrones) um filantropo milionário.
Após várias tentativas, ela não consegue fugir de seu novo amor, e ao ir passar um final de semana na casa dos pais dele um amor do passado pode mudar tudo, até mesmo a condição imortal de Adaline.

Com a trama voltada especificamente para o público mais romântico e apesar de não trazer um tema tão clichê assim, acaba caindo na mesmice das histórias de amor a lá Nicholas Sparks. Contado quase que como um conto de fadas, e claro, com uma pitada de ficção cientifica, o longa cumpre sua missão como representante do gênero, sem grande profundidade, ou uma química realmente impressionante entre os personagens principais.

Por outro lado não haveria ninguém melhor para dar voz a Adaline do que a brilhante e eterna Serena  Blake Lively

um Comentario

  • Pia Torres 27 / 09 / 2016 Reply

    A história é incrível, eu adorei. Com a distribuição adequada e dignidade com que Krieger enfrenta as convenções do gênero, The Age of Adaline (a propósito aqui eu pendurá-los site oficial com as próximas transmissões: http://www.hbomax.tv/sinopsis.aspx?prog=TTL602741) acaba sendo um acervo considerável, embora não excelente, melodrama romântico. Uma história que pode estar relacionada com as grandes bandas de romances apaixonado estilo de The Notebook (Nick Cassavetes, 2004), Message in a Bottle (Nicholas Sparks, 1999) ou uma caminhada nas nuvens (Alfonso Arau de 1995 ). No entanto, adicionando um elemento “mágico” que pode colocar mais em relação ao O Curioso Caso de Benjamin Button (David Fincher, 2009), Meet Joe Black (Martin Brest, 1998) ou Eternos série que podemos ver em nossas televisões hoje.

Deixe uma resposta