Como Viver Eternamente – Sally Nicholls –

19 de abril de 2017

Autora: Sally Nicholls

Editora: Geração

Oi, Pessoas!

Mais uma vez vou contar para vocês que julguei o livro pela capa e quebrei a cara.

Pois é, esse livro é daqueles que você encontra na biblioteca da escola, lê e nunca mais esquece.

Quando vi a capa eu pensei: “meu Deus, um livro de autoajuda!”. Com esse nome também né, fica muito fácil julgar… mas eu resolvi folhear o livro e quando abri me deparei com a seguinte descrição:

“Meu nome é Sam.

Tenho onze anos.

Coleciono histórias e fatos fantásticos.

Quando você estiver lendo isso, provavelmente já estarei morto.”

Aí já sabe né… esse coração mole aqui que adora histórias emocionantes se apaixonou.

Então chega de enrolações e vamos a resenha.

Depois de ser diagnosticado pela terceira vez com Leucemia, os médicos chamam a família para anunciar que o tratamento não faz mais efeito no corpo de Sam e que a única coisa que eles podem fazer é continuar com alguns remédios e aguardar o inevitável. Assim começa essa história surpreendente que vai te ensinar muito sobre os medos e anseios de um adolescente.

Beijar uma garota, andar em um dirigível, ver filmes de terror e etc. são apenas alguns dos desejos da longa lista de um garoto de 11 anos que está aguardando a morte. Sam é apaixonado por aventuras, e com desejos pra lá de inusitados ele não deixa que essa doença acabe tão facilmente com seus sonhos. Então ele resolve registrar seus últimos meses de vida da maneira mais engraçada possível, fazendo com que em cada página você ria e aprenda inúmeras lições.

Ao longo de toda história você vai conhecer uma família incrível: uma mãe que luta para não demonstrar fraqueza, um pai que faz todos os desejos do filho e uma irmã que tenta ser forte pelos três. A história de Sam com os pais, Bella e Félix (seu melhor amigo que também tem Leucemia) mesmo se passando com um garoto de 11 anos, ensina muito sobre como devemos aproveitar cada minuto de nossos dias, não deixando espaços para desentendimentos, tristezas e assuntos inacabados.

Sam tenta compreender os mistérios da vida, faz perguntas idiotas e tem desejos surreais. No meio de tantas preocupações, curiosidades e anseios, ele tenta compreender a morte e vive seus últimos dias ensinando para sua família e para todos que leram essa história que devemos viver com intensidade, aproveitar todas as oportunidades que a vida nos dá e lutar por tudo que queremos. No final, ele mesmo diz: “Não tem sentido ter desejos se a gente pelo menos não tentar realizá-los.”

Bom meus amados leitores, no fim a gente entende que o livro realmente é uma autoajuda. Mas graças a Deus é muito diferente daquilo que pensamos: nada chato e tedioso; ao contrário, é uma história apaixonante e muito encantadora. Boa leitura para todos vocês!

 

 

2 Comentários