Crítica: Todo Dia (sem spoiler)

4 de julho de 2018

Quando recebi o convite para a cabine de “Todo dia”, não consegui me conter de felicidade. Só pensava “meu deus, não acredito que assistirei este filme!”. E fui com um pouco de medo, confesso.

Todo dia um corpo diferente. Um corpo apenas por 24 horas. Independente de lugar, gênero ou personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que apenas por um dia. Vivendo assim durante 16 anos, A já se adaptou às regras que estabeleceu: não se envolver, nem interferir. Até que acorda no corpo de Justin…

Justin é um badboy prepotente do ensino médio. Maltrata sua namorada, Rhiannon, e não dá a atenção merecida. Enquanto toma conta do corpo de Justin, A acaba interferindo demais, fazendo com que ele seja fofo o bastante para que Rhiannon estranhe as demonstrações de carinho.

A partir deste momento, todas as suas prioridades mudam. A se vê obrigado a provar seu interesse por Rhi e mostrá-la que é possível existir um amor incrível entre eles. Então, a cada dia que passa, mostra que, mesmo em corpos diferentes, o espírito continua o mesmo.

A proposta do autor é totalmente inovadora. Nos faz pensar nas possibilidades de exercício do amor e para aquele que está disposto a recebê -lo. Através de uma narrativa muito bem construída, a trama está rica de características importantes. Ficar atento à telinha é sempre bom!

Diferentes pontos de reflexão são levantados. Seja identidade de gênero, saúde mental e relacionamento LGBT, os temas são trabalhados de maneira que a sociedade possa refletir o que ainda é tratado como um tabu (aliás, muito ultrapassado né? Temos tantas coisas para nos preocupar).

Com uma superprodução, podemos ver nossa imaginação na telinha. O elenco foi bem trabalhado, sabendo passar toda a essência criada pelo leitor. Vemos isso em Angourie Rice, que interpreta Rhiannon. A menina atua na medida certa, como deve ser.

Justice Smith, que interpreta Justin, faz um Justin um pouco bobo. Esperava um personagem mais “durão”. Não que a interpretação do ator tenha deixado a desejar de maneira geral, mas minhas expectativas não foram atendidas.

‘A’ é interpretado por vários atores e atrizes, mas o que fica mais tempo em cena, Owen Teague, faz uma ótima dupla com Angourie Rice. A cena de beijo na capa do pôster do filme é a mais linda!

Me emocionei e fiquei totalmente satisfeito com a adaptação. Fiquei feliz por ter entrado para o melhor filme de 2018! Assistiria novamente e com os olhos ainda mais aguçados.
Corram para os cinemas no dia 12 de Julho! Certamente não se arrependerão!

 

#CRIEMARCAS #DEIXERASTROS

 

Deixe seu comentário