K-Drama – It’s Okay, That’s Love

, Series

Annyeonghaseyo!

Olá!

Hoje vim falar um pouco de um Kdrama ‘’diferentão”.

Geralmente os dramas asiáticos abordam romance, ficção, comédia e são bem clichês, né!? Mas esse kdrama que vos trago é diferenciado, ele tem como tema principal doenças mentais abordando a vida de cada personagem, que convivem com suas mudanças de humor, traumas e relacionamentos conturbados e assim também superação, mudança de vida e novos relacionamentos.

Além de concorrer em mais de 25 categorias, vencendo 16 delas, nas principais premiações coreanas, como Korea Drama Awards, Seoul International Youth Film Festival, Mnet Asian Music Awards e SBS Drama Awards. Foi lançado por meados de julho de 2014, tendo dezesseis episódios e foi transmitido pela emissora SBS, bem famosa no país.

Espero que gostem assim como eu amei … Se envolvam nos conflitos, torçam, chorem e festejem, como eu fiz. Sei que pode parecer bobo, mais é assim a vida de uma ‘’dorameira’’. Esse é o termo usado para quem curte, ama e é louca por doramas, que é como chamamos os dramas asiáticos, mas outro dia explico isso direitinho.

Bem, vou começar a falar sobre ele e deixar de enrolação.

Ah! Já vou avisando que eu amo spoilers e posso ter falado alguns. rsrs

Prometo pegar leve… 😊

It’s Okay, That’s Love (괜찮아, 사랑이야)

‘’A vida de Ji Hae Soo é colocada de cabeça para baixo depois de conhecer o misterioso e obsessivo escritor e DJ de uma rádio.’’

A história começa com uma festança, para comemorar o aniversário do charmoso Zo In-Sung como Jang Jae-Yeol,  famoso por seus livros de mistérios e também, DJ de uma rádio.

É, se bem que… não vou contar toda história, né?! Vamos deixar uma interrogação no ar. rs

Ele tem um irmão mais velho Yang Ik Joon que interpretou o problemático Jang Jae-Beom, que estava preso até então, no dia dessa festa ele foi liberado por bom comportamento.Sua mãe Cha Hwa-Yeon vivida pela atriz Chan Hwa Yun, é uma mulher bem sofrida e fez de tudo para criá-los bem e de uma forma honesta.

A nossa protagonista é uma jovem chamada Ji Hae-Soo (vivida pela minha atriz preferida, a Gong Hyo-Jin) uma jovem residente na ala de psiquiatria de um Hospital Universitário, que além de tratar dos pacientes, também tenta lidar com seus próprios problemas. Ela tem uma família bem unida e amigável começando por sua mãe a atriz Kim Mi Kyung, essa ahjumma tá em todas, seu pai sofre de uma doença há anos e depende de cuidados especiais e uma irmã mais nova.

Como a abordagem do dorama é sobre doenças mentais a nossa protagonista além de ser médica na na área, também sofre com um que a deixa aflita impedindo de entrar em relacionamentos amorosos.

O romance entre os dois é uma coisa fofa, e apesar de já serem adultos são uns amores quando estão juntos.

Tudo começa com a participação dos dois em um programa de TV, ele falando sobre seus livros os personagens e suas personalidades obsessivas e obscuras, e, ela mostrando o que a psiquiatria diz sobre isso, e sim, os dois meio que ”discutem em público”… Esqueci de dizer! Ele tem fama de ser mulherengo. E ela ainda namorava nessa época, então os dois meio que ficam só de olhares.

Ao longo da história os dois vão se aproximando e criando um vínculo. Ele fica interessado nela de imediato depois da participação no programa de TV, e chega a mudar para a casa onde ela divide com mais dois colegas, o Dr. Jo Dong-Min (o ótimo ator Sung Dong-II), professor e psiquiatra que trata dela pessoalmente e com o Park Soo-Gwang (intepretado pelo Lee Kwang Soo) que na trama sofre da síndrome de “Tourette“ e que também é um dos pacientes do Dr. Jo Dong-Min.

 

Ah! E foi nesse drama que a nossa lindinha Lee Sungkyung fez sua estreia.

 

À partir disso o drama começa, com ela percebendo o estranho comportamento dele em certos momentos e chegando no momento mais choroso com o laudo, e o não envolvimento dela no caso médico dele.

Ah! não posso deixar de falar da participação mais do que especial que esse drama teve. A EXO-L que mora aqui em casa (Eu) deu um pequeno gritinhoooo! AAAAAH!

É que o cantor D.O. Kyung-soo do grupo EXO participou desse maravilhoso kdrama, e atuou divinamente por sinal. Sou suspeita, né?! Não posso falar muito sobre, porque ele é o foco da história, sim, gente ele é protagonista junto com o protagonista… Não fez sentido nenhum, eu sei.


Então, chegamos ao final e espero ter falado um pouco dessa história com o máximo de cautela.

Como já é esperado temos um fofo, lindo e desenrolado final. Chorei em quase todas as cenas. Nossa bela Drª tem seu peculiar problema finalizado e o nosso escritor lindão uma harmonia de pensamentos e um perdão de si mesmo. E o que mais gostei é que, sim, cada personagem teve seu final feliz, quer dizer … ou não. Quando assistirem irão entender esse “NÃO”.

Não poderia deixar de falar da OST desse drama que é sensacional trazendo uma mistura única de músicas coreanas e ocidentais que vai te fazer lembrar sempre de cada cena quando ouvi-las depois. Alem das indicações a prêmios, 5 estavam relacionadas a OST e a música The Best Luck, cantada por Chen (EXO), ganhou dois destes. Os singles foram incorporados em 2 álbuns, somando um total de 36 faixas. Além disso foi lançado o CD “It’s Okay, It’s Love Pop OST”, composto apenas por músicas internacionais.

Então, não se esqueça de ouvir essas músicas maravilhosas!

Best Luck – Chen
Espero que vocês gostem assim como eu gostei. Até a próxima!

Komawoyo !!

Obrigada!

Lista de comentário

  • Aline Dayane 13 / 04 / 2017 Reply

    Chen sempre arrasando nas OSTs ♥
    Meninaaa, você tem que assistir, tenho certeza que vai amar.
    Obrigada! :*

  • Vanessa Jéssica 11 / 04 / 2017 Reply

    Ahhh, mais um drama pro meu dramaland Kkkkk.
    Tem o D.O e OST do Chen, a EXO-L berra aqui!!!!
    Adorei a resenha 😍

Deixe uma resposta