Resenha: A Bandeja – Qual Pecado te Seduz? – Lycia Barros

, Livros

Livro: A Bandeja – Qual Pecado te Seduz?

Autora: Lycia Barros

Editora: Arqueiro

Sinopse:   Aos 18 anos, Angelina está prestes a viver o maior desafio de sua vida: sair de Petrópolis para estudar no Rio de Janeiro, deixando para trás os cuidados e a proteção de seus pais.

Assim que se instala na república de estudantes e começa a assistir às aulas, a jovem percebe que as dificuldades serão muitas. Ela divide um quarto com uma colega desorganizada, uma frequentadora assídua de festas e chopadas que vive cercada de más companhias. Além disso, as condições das instalações da faculdade são precárias e os professores não parecem comprometidos.

Angelina já está desanimando de sua nova vida quando esbarra no lindo Alderico – ou Rico –, um cara capaz de fazer qualquer garota perder o fôlego. O que ela não poderia imaginar era que Rico é seu professor de linguística e se interessaria por ela também.

Deslumbrada com a descoberta da paixão e certa de que Rico é seu grande amor, Angelina se joga de cabeça nessa relação, ignorando todos os conselhos que recebera dos pais a vida inteira.

Ao mesmo tempo ela começa a ter sonhos que não consegue entender: homens lhe oferecem objetos numa bandeja e, logo depois que Angelina aceita seus presentes, eles se transformam em feras e desaparecem numa floresta.

Primeiro volume da série “Despertar”, A bandeja é um romance arrebatador que retrata os dramas e as provações pelos quais qualquer jovem passa quando se afasta de sua essência e deve trilhar de novo o caminho do amor verdadeiro e de Deus.

 

a_bandeja_detalhe

 

Ei, meus lovelies leitores.

Para quem não sabe, no meu insta estou participando de uma TAG Natalina que foi promovida pelo insta do blog  em parceria com o da nossa blogueira Vanessa, o literachá.

Hoje é meu quarto dia e o tema é: Livro ceia de natal – Livro que você amou ler e leu super rápido.

Aproveitando o tema, resolvi unir as duas coisas, resenha + tag, e para isso escolhi A Bandeja da Lycia Barros, essa autora que é sempre super atenciosa.

Bem, deixa eu contar um caso para vocês: em 2011 aconteceu uma grande enchente na minha cidade que causou a perda de quase todos os meus livros. Na verdade na época só me sobraram dois livros. É triste, eu sei. Mas minha cunhada linda se condoeu da minha perda e me deu esse livro de presente para ajudar a reconstrução da minha mini biblioteca.

Assim que pus as mãos nele não parei a leitura até terminar, e definitivamente posso dizer que foi um dos livros mais marcantes que já li.

Então sem mais delongas, a primeira coisa que me vem à cabeça ao lembrar da trama não é a personagem central, e sim o Alderico. Primeiro porque de acordo com a descrição o cara deve vir de outro planeta, o planeta de pessoas bonitas. Ó só:

Ao erguer os olhos, deparei com o ser humano indiscutivelmente mais bonito e mais maravilhoso que já tinha visto naquela faculdade. (…)

Tratava-se de um rapaz. Ou homem, que devia ter entre vinte e trinta anos, no máximo. Sua pele branca estava levemente bronzeada, se cabelo era loiro escuro e meio desalinhado em torno do rosto. Seus olhos tinham nuances infantis e sedutoras ao mesmo tempo. Não pude deixar de notar as ruguinhas leves que surgiam nos cantos de seus olhos quando ele sorria e que lhe atribuíam um charme viril, todo especial. Seu maxilar era quadrado e emoldurava um sorriso caloroso e perfeito, aberto pra mim. Ele era um pouco mais alto que eu, o que me fazia erguer a cabeça para apreciá-lo. O céu deveria ser mais ou menos assim…

Mas não só pela beleza ele é lembrado. O segundo motivo é que esse gato maravilhoso aí é um tipo de homem do qual a maioria de nós, mulheres, seremos vítimas ao menos uma vez na vida. E é só isso que posso dizer no momento. rs

Já a narradora da história, srta. Angelina, é uma menina super meiga, delicada e bastante inocente. Ela meio que se perde naquele surto de liberdade que imaginamos ter ao nos afastar das “amarras” dos nossos pais.

Eu sei que a sinopse pode afastar algumas pessoas pelo simples preconceito de achar que a obra é puramente religiosa. Mas não se deixem enganar, o livro tem uma carga de ensinamento muito grande, além da capacidade de abrir os olhos principalmente de pessoas ingênuas. Lycia é boa demais com essas coisas.

A Bandeja é a Obra que eu gostaria de presentear à todas meninas (meninos também, mas principalmente meninas rs) na pré-adolescência, adolescência e juventude. Talvez assim quando elas fossem fazer alguma burrada da qual se arrependeriam no futuro, se lembrariam da história e pensariam melhor.

Há várias reviravoltas no livro do que se pode imaginar pela simples leitura da sinopse e dizer que o enredo acaba não somente focando em Angelina e Rico é o mínimo.

Talvez ter participado da história quando eu mesma passava por momentos difíceis tenha me ajudado a crescer com a Angelina, mas em conversa com alguns outros leitores do livro percebi que eles também foram tocados de alguma forma.

Em resumo, façam o favor a si mesmos e leiam A Bandeja rsrs

E ah.. Tchanam: existem sequências, por assim dizer.

Entre a Mente e o Coração trata da história de Rico, e Perdido Sem Você (tá baratinho esse, gnt) a de Dante, que é um dos personagens de A Bandeja. Vocês os encontram na lojinha do site da autora. Tô loca com eles, e quando os adquirir, serão resenhados também.

Perdoem a resenha imensa, mas ainda preciso deixar uma trechinho marcante aqui:

A aula prosseguiu normalmente, mas parecia que nunca ia acabar. Eu estava louca para ficar a sós com o meu professor preferido de novo.

Diferentemente da primeira vez, Rico caminhava por entre as carteiras enquanto falava, fazendo os alunos rirem de vez em quando. Não sei se ele tinha ideia de como era encantador. Cada movimento seu dava uma foto, de tão perfeito que era. Em certo momento, passou pela minha mesa – seu calor me queimando a centímetros de distância – e deixou cair um pequeno papel, sem que ninguém visse. Meu estômago embrulhou de nervoso e me senti como se fosse uma criança no quinto ano. Seria realmente para mim? Procurei-o com o olhar para confirmar se era, de fato, para eu abrir. Mas meu lindo professor me ignorou, continuando a dissertar. Impaciente, abri imediatamente o papel no meu colo. Estava escrito:

“Meu anjo, te devo um jantar.”

Quase caí da cadeira. Aquilo não era real.

O deus grego da faculdade estava mesmo me dando mole.

Espero que gostem!

Beijinhos e até a próxima, lovelies =*

Lista de comentário

Deixe uma resposta