Resenha Os Cinco do Ciclo

21 de maio de 2018

Bom dia leitores!♥

Quem ai ja leu Os Cinco do Ciclo do parceiro Elias Flamel?
Se não leu, não perca a chance de conhecer uma estória muito bem trabalhada e com um personagem diferenciado.
E vocês viram essa capa?!!! Morri de amores!

Os Cinco do Ciclo

Os Cinco do Ciclo

Elias Flamel
ISBN: B075GZJBLR
Ano: 2017
Páginas: 556
Idioma: português
Editora: Independente
Sinopse: Yosef de Keltoi. Presenteado na infância, por uma de suas mães, com um tesouro de muitas páginas. Cresceu com pouco, encontrou o seu amor e ao lado dela teve que instigar uma revolução entre trabalhadores do campo. Sua vitória não foi perfeita, pois falhou contra os deuses que tanto venerava. Assim, o líder de uma vila pequena, e quase oculta entre os quatro cantos do mundo, vive o começo da sua velhice.
Não reclama de ter vivido muitos ciclos e é servo de um império que pintou de rubro nações que ousaram ser grandes. Sempre preocupado com o seu povo e com a sua família. Qual vem primeiro? É uma pergunta que necessita de tempo e páginas para ser respondida. Hitalo, o mais velho dos seus filhos, exige mais firmeza com os homens do campo. No auge da juventude, o divertido e criativo Yohan deseja provar para o seu pai que é um homem feito. Morgiana, companheira de luta, enxerga muito além do que os olhos podem ver e deseja alertar o seu amado Yosef a respeito de algo muito difícil de fugir.
Yosef parte para Numitor, sua viagem tem como destino a capital de todo o império, lar dos homens de togas brancas que praticam um culto conhecido pelas eras. E esses mesmos homens possuem legiões em seu poder. Era para ser somente mais uma viagem dos tributos, mas o homem comum ouve boatos que colocam em risco o seu lar, a sua cultura e as suas crenças. Uma ajuda é mais que necessária, mas aqueles que são os mais poderosos e dotados de uma sabedoria milenar começam a pedir socorro. Só Yosef, o líder, pode salvar o que tanto ama.
Ao tentar, é exposto o seu passado manchado, ele reencontra velhas amizades e conhece desejos guardados dentro do peito de um dos seus filhos. Sua vontade de ter o que tanto deseja fará Yosef se embrenhar pelas ruas do império. Será preciso conviver com ladrões, fardados de rubro, uma sociedade que ama a prata e o ouro e terá de lutar até mesmo contra a fúria da natureza.
Uma linda história de fé, sacrifícios e humildade.
Yosef de Keltoi é um homem honrado que dá a sua vida pelo seu povo. Um líder humilde e com enorme coração, que é pai, marido, amigo…
“Para o preocupado homem, eu tenho o conforto: Fez a sua função como líder. Como realizei a minha como conselheiro. Destino nos controla, os deuses nos protegem e seguimos nossos ciclos.”
Diferente do que estamos acostumados, ele é um líder com idade mais avançada, não possui beleza arrebatadora e nem força física para lutar como guerreiro. Mas sua maior qualidade é o grande amor por seu povo. A vontade de ser justo e proteger seu lar.
Yosef é um líder fiel, mas que também se acomodou em seu cantinho isolado do restante do Reino e que agora encontra-se totalmente desligado do que acontece ao seu redor.
De fé inabalável, seu povo vive sem reclamar da pobreza e do trabalho. Eles se ajudam em tudo, cada um tendo sua função e sendo extremamente agradecido aos Cinco do Ciclo (seus deuses) por isso.
Uma vila que só deseja estar em paz, mas o mal se aproxima. Os Deuses pedem socorro e as pessoas estão em risco.
Em seus sonhos Yosef recebe o pedido de socorro dos Deuses e sente-se desesperado ao imaginar a morte de sua família e de seus Deuses, mas o que seria capaz de superar as forças dos Cinco do Ciclo?
“Morte. Nós morremos! Sua família morrerá. – Todas agora falam. Todas são os meus deuses.”
Uma decisão precisa ser tomada. O povo de Keltoi vai buscar ajuda no Império, mas se não conseguir será capaz de levantar armas para se defender?
Um povo de mãos para a terra, pacifico e sem odio no coração será capaz de defender suas terras e vidas contra os seguidores do Deus único que estão arrasando nações?
 “Falei muito, agora serei breve: Os homens do círculo de pedra sentiram a verdade em cada palavra sua. Mesmo se alguém com a cabeça boa tentasse convencer seu povo do contrário, eles teimariam e iriam continuar acreditando em você. Como eu posso dizer? Era como eu ouvindo os marinheiros nos portos.”

 

Um livro muito gostoso que está repleto de aventura, segredos e boas histórias. Sua narrativa é mais lenta e detalhista, mas nada que atrapalhe a leitura. Um nacional que está abrindo caminho e conquistando com sua simplicidade. Mas que ao mesmo tempo, vem com um império todo detalhado, com personagens bem criados e uma linguagem super gostosa.
Elias Flamel nos trás um líder humilde e simples que carregará o fardo de salvar a todos.
Sua aldeia corre perigo e ele vai embarcar em uma aventura pelo Império Numitor, onde reencontrará velhos amigos e velhos segredos.
“O mar começa a ocupar o navio. Motivado por um instinto, agarro a madeira e consigo me levantar. Não há tempo para calma, pois uma onda cresce, ela quer atingir o tamanho de uma montanha? Quando penso em reagir, ela se joga em direção à embarcação. Como resultado, um frio cresce na barriga e posso jurar que o casco deixou de tocar o oceano. O frágil navio ainda se esparrama pelo mar, pondo fim a essa sensação de quase morte.”
Na luta para encontrar apoio nos lideres do Império, ele terá que engolir seu orgulho e pedir ajuda aos mais poderosos e mesquinhos.
“Nunca abandone o que você possui de melhor. Não se afaste da sua alegria e da sua fé.”
Um lider que vai ter que lutar com unhas e dentes para defender a sua crença. E que será posto a prova a todo instante.
Sendo uma pessoa humilde, Yosef de Keltoi será tratado como inferior pelos lideres do Império. Um Império que manchou de rubo todos os que quiseram levantar-se. E com Keltoi, como será?
Será que o Deus único vencerá os Cinco do Ciclo? Será que Keltoi será obrigada a negar os Deuses que sempre os protegeram?
Yosef vai conhecer a furia dos Deuses e enfrentar a natureza em sua jornada.
“O navio se esparrama pelas águas, a madeira não resistirá e já a imagino despedaçar. Quando tenho a certeza que tudo será destruído, percebo que ainda há um chão abaixo dos meus pés. Só me resta esperar o desabar da onda colossal. Ela toma para si as batidas do meu coração. Como o sentir se intensifica! Começo a notar tudo a minha volta. Sinto a energia das ondas, do vento, do céu, dos tripulantes e de Hodar. É uma sensação estranha e maravilhosa. É como o primeiro aquecer depois do frio e o primeiro refrescar depois do calor. É algo divino, por isso o homem só pode sentir uma vez? Espero morrer sem dor. Desejo que o espatifar do navio seja rápido e que meu corpo não lute contra o afogamento. Espero que esses mesmos deuses que encerrarão o meu ciclo cuidem da minha família e do meu povo.”

Gostei muito da leitura que Os Cinco do Ciclo me proporcionou. Me senti dentro do livro a cada pagina. Uma escrita cativante que nos leva a conhecer o mundo de Keltoi. Os trabalhadores que dão sua vida pela vila e por suas famílias.
Elias Flamel criou um líder humilde que não goza de juventude ou dons, o que me deixou ainda mais próxima da realidade criada por ele. Alguém que tenta seguir os ensinamentos de seus antepassados e respeita seus Deuses, mas que assim como nós, é falho.

“Deus, deuses. As palavras ecoam na minha mente. O homem consegue segurar a minha raiva. Reparo em meus braços e eles estão sujos de um sangue que não é meu. Minhas mãos e as minhas roupas. Tudo está sujo. Quebrei o ciclo daquele homem. Não posso falhar novamente com os meus deuses.”

Yosef ainda enfrentara a curiosidade por esse Deus único. Conhecerá famílias que são seguidoras de tal e verá com seus olhos a fé que possuem. Mas serão eles perigosos?

“Aprenda, Yosef: Em suas últimas forças, os bons acabam dando os seus mais poderosos golpes.”

Confesso que o final me deixou super curiosa, mas espero que o segundo livro traga uma história ainda mais incrível para fechar todas as pontas soltas.
Embarque nessa jornada com Yosef e venha desvendar os segredos dos mares e do Império de Numitor.
“Não se trata de compreender. Este livro é voltado para o sentir. Não deseja dizer nada, só quer atiçar o meu imaginar? Percorro as palavras e tenho a sensação que o escritor desejava contar a história do mundo, mas tinha pouco tempo. Sendo assim, cada palavra teria que resumir muitas vidas. É uma escrita caprichada, é um capricho que não se desgasta.”
Agora venham me contar o que acharam.
Beijinhos e boa leitura pessoal.

Deixe seu comentário