Resenha: Sorrisos Quebrados – Sofia Silva

, Livros

Ola amores.
Quem ai já leu Sorrisos Quebrados?

Eu me apaixonei pela capa e depois que li percebi que é mais do que uma capa bonita, é uma história linda! Triste, mas linda.

Vem descobrir do que o amor é capaz…

Sorrisos Quebrados

Sorrisos Quebrados

É na escuridão que brilha o amor verdadeiro
 Série Quebrados # 1
Sofia Silva
ISBN-13: 9788558890458
ISBN-10: 8558890455
Ano: 2017
Páginas: 240
Idioma: português
Editora: Valentina
Sinopse: Paola
Perante Deus, o meu marido prometeu me amar.
Cuidar de mim. Ser meu amigo.
Perante todos, disse que me amava. Que íamos ser felizes.
Viver para sempre juntos.
Mentiu em tudo.
Até que um dia, perante mim, ele disse que ia me matar. E não mentiu.
A partir desse dia vivi escondida no meu mundo, até o André aparecer.
André
Não procurava nada. Não queria ninguém.
Não depois de tudo que vivi.
O meu coração estava escondido na escuridão, até a Paola surgir com as suas cores, pintando a minha vida.
Sorrisos Quebrados é um romance colorido entre duas pessoas Quebradas por relacionamentos passados. Uma história de superação dos próprios medos e promessas.
Três trágicas histórias que vão se entrelaçar para formar um livro incrível.
Sorrisos Quebrados veio para mostrar o lado das feridas, das cicatrizes que nos corroem por dentro. Aquelas que a maquiagem não consegue esconder e que muitas vezes são as mais feias. Mas também mostra que superar é uma escolha, que somos fortes e podemos sobreviver.
Esse livro vai destroçar seu coração e te fazer ver o mundo preto e branco em que vivemos com outras cores, pois somos todos telas em branco, basta que escolhamos as melhores tintas…Paola é uma jovem que sofreu com um casamento de aparências onde seu marido passou de príncipe a vilão.
“Roberto era a prova de como os homens não são românticos somente na literatura. Ele era o meu conto de fadas. Só não imaginei que o papel dele na nossa história não era de príncipe, mas o pior dos vilões.”
Um casamento que ela sustentou por muito tempo, sempre perdoando na tentativa de consertar as coisas. Acreditando que todos os problemas eram sua culpa, Paola foi sendo vitima de abusos físicos e psicológicos que deixaram uma marca muito grande.
Mas quando tudo deu errado e ela não mais suportava, era hora de tomar um rumo e seguir em frente sem seu marido.
“Por favor, por favor, por favor, rezo pedindo proteção a cada passo leve que dou pela casa. Seguro o calçado nas mãos e desço as escadas com cuidado. Treinei, durante dias, como descê-las sem que o som da madeira ecoasse. Pensei em tudo durante semanas, tanto que o meu único pensamento é partir.”
Mas será que Roberto, possessivo e agressivo a deixaria seguir?
“Começo a chorar com medo, com dores. Tantas, tantas dores. De todas as vezes que me bateu, o rosto nunca sofreu golpes porque ele diz que é onde tenho alguma beleza, além de não poder esconder se algum familiar ou amigo aparecer. — A culpa é sua por estar sangrando. E eu não bato em você, Paola, educo quando faz algo inaceitável. E você erra como nenhuma outra pessoa. É burra e repete sempre os mesmos erros. — Puxa meu
cabelo com força, passando o nariz no meu pescoço.”
Um homem louco que tornou a vida de Paola um verdadeiro inferno, até tentar mata-la. O que na realidade aconteceu. A Paola sorridente e feliz que um dia existiu morreu no momento em que o pitbull foi atiçado a ataca-la. Sim, Roberto usou o maior medo contra ela, cães.
Seis anos depois, toda marcada por cicatrizes horríveis, com sérios problemas respiratórios e com pavor de todas as pessoas, Paola luta para viver. Mesmo que seja trancada dentro da clinica onde se trata na tentativa de voltar a se ver como mulher, como pessoa capaz de viver normalmente.
“Pego na maleta e o meu reflexo surge no espelho como se o vidro estivesse quebrado, e não eu. Se eu não consigo ver beleza em mim, quem conseguirá?”
É nessa clinica que ela conhece Sol, uma criança que não lembra os traumas que sofreu, mas que sente o desespero e o panico sempre que alguém, alem de seu pai e seus avós, se aproxima. Mas inexplicavelmente, as duas se conectam e Sol a aceita em seu mundo totalmente fechado. Todos ficam em choque com essa ligação, principalmente André, um pai que luta para proteger sua filha de um passado de dor e abandono, mas que principalmente, luta para nunca deixar ninguém chegar perto de sua filha.
“Passo a mão no seu cabelo tão claro que parece um anjo. Eu acredito que ela é e por isso o mundo tem dificuldade de compreendê-la. A Sol tem bondade demais dentro de si e quando tentaram tirar-lhe isso, ela decidiu nunca mais mostrar como é feita de amor, a não ser para a Paola. As duas são tão iguais que me assusto. A realidade foi tão cruel para ambas que, em vez de ficarem como eu, elas decidiram criar luz própria. Brilhando onde ninguém consegue.”
“Desde que a minha filha começou a frequentar a Clínica para estar com a Paola, parece outra ou, na realidade, é a criança que seria se no passado as coisas tivessem sido diferentes.”
Narrado em terceira pessoa, o livro intercala Paola e André nos dando os dois lados da história.
Um livro para arrebatar corações.
“Molho bem as minhas mãos, uma de cada vez, para que fiquem mais lisas. Quando sinto que estão mais suaves, toco-a no rosto, tentando retirar a tinta, mas isso não acontece porque ela desperta, encosta na parede em pânico e grita novamente. Nesses segundos a água cai sobre ela, limpando todo seu rosto e… ela grita a plenos pulmões com medo de mim, por dentro faço o mesmo quando reparo que me olhando, com expressão de pânico, está uma mulher com metade do rosto desfigurado. A vontade que tenho também é de gritar, pois nunca vi uma imagem tão dolorosamente assustadora na minha vida.”
Uma história linda que vai mostrar que nem sempre o pior acontece, que não é porque alguém nos machucou muito que todos vão nos atacar.
“— Às vezes precisamos olhar para as pessoas com os nossos corações e não com os olhos, pois só assim nós vemos quem realmente são.”
As vezes podemos confiar nas pessoas sem nos machucarmos, precisamos arriscar.
“Quando penso que não existe um ponto suave na sua rigidez, lentamente encontro o seu rosto com atenção e… sim, existe. Os olhos dele. Deus, o André tem os olhos entre o cinzento de uma manhã de nevoeiro que esconde segredos e o mar profundo de onde podem surgir coisas que desconhecemos. Ele é o tormento e a calma. O rochedo que protege contra a força das marés e a areia que voa com uma simples brisa.”
E principalmente, precisamos de um amor que seja lindo, que nos traga confiança e que JAMAIS nos machuque e nos deixe com medo.
Sorrisos Quebrados nos mostra a triste realidade de muitas pessoas que passam pela dor de ver quem deveria amar lhes machucar, abusar e discriminar.
Espero que todos que lerem esse livro tenham a noção de que um relacionamento abusivo não pode existir. Que temos quer por um ponto final antes que esse ponto seja colocado na nossa vida. Antes que resulte em morte, seja aquela que nos tira a vida ou aquela que nos tira o amor pela vida.Venha conhecer Paola, Sol e Andre. Venha descobrir se eles serão capazes de superar seus traumas e viver uma vida feliz.
“— A escuridão nos ajuda a falar o que na luz temos receio. — Por que motivo? — A verdade reluz, mas durante o dia seu brilho não é forte o suficiente para fazer as pessoas olharem para ela. É na penumbra que ela é rainha. E mesmo quem não quer ver é obrigado porque ela é a única que brilha.”

Bônus

“Não falo nada. Fico vendo o André se afastar sem perceber que derreteu todo o gelo e, apesar de ter me soltado com seu calor, também me deixou desprotegida.”

“Mesmo sabendo que somente com um braço ele poderá destruir o que sobreviveu de mim no ataque. Eu posso estar sendo uma mulher que comete erros atrás de erros, mas há algo nele que vejo em mim. Algo quebrado. Nessa nossa semelhança, eu sei que ele seria incapaz de cometer um ato monstruoso como o Roberto fez.”

“O que aconteceu com a Sol? O que aconteceu com vocês? Eu tentei não perguntar. Tentei explicar a mim mesma que não tenho direito de saber. Tentei não me preocupar. Tentei, mas não consigo. — Seu queixo treme de emoção. — Não consegui estar debaixo da água sabendo que ela sofre e tem vergonha de ser como é. Para mim ela é perfeita assim. Eu sei o que é termos medo de mostrar quem somos porque as pessoas são más. Finalmente os seus olhos com lágrimas encontram os meus e as suas mãos pousam em cima das minhas que ainda prendem o seu rosto. — Porque eu, e só eu, sou a única culpada por estar assim. O meu rosto é devido a minha falta de coragem, mas vocês não merecem sofrer. Não merecem! — exclama, com lágrimas pela minha filha e por mim. Lágrimas que não param de escorrer.”

“Neste momento somos duas almas perdidas que se encontraram, mas que receiam ser mais uma miragem no deserto triste que tem sido a nossa caminhada.”

“A boca do André encosta na minha orelha. Eu fecho os olhos receando as palavras que vão sair, as que certamente dirão como sou uma desilusão. Que estrago sempre tudo. — Quando foi a última vez, Paola? — sussurra. — Seis anos — respondo surpreendida com a pergunta. — Não, quando foi a última vez que um homem cuidou de você? — Nunca.”

“Com ele percebi que é na escuridão que as palavras verdadeiras reluzem e sei que as deles nunca perderão a intensidade.”

Lista de comentário

  • Patricia Christmann 15 / 09 / 2017 Reply

    O livro é maravilhosamente triste. Uma das melhores leituras de 2017.

  • Clayci 11 / 09 / 2017 Reply

    Não vejo a hora desse livro chegar por aqui. Não pude ir até a bienal, mas queria conhecer a autora <3

    http://www.saidaminhalente.com

Deixe uma resposta