RESENHA – Sete Minutos Depois da Meia Noite | Patrick Ness

3 de maio de 2017

Sabe aquele livro que a história te faz sentir uma dorzinha no coração? Então, é assim com Sete Minutos Depois da Meia-Noite . Nele, temos a triste e emocionante de Conor O’Malley, um garotinho de 13 anos que tem a vida abalada pela doença de sua mãe e pelo Monstro que aparece todas as noites às 00:07hs.

SinopseConor é um garoto de 13 anos e está com muitos problemas na vida. A mãe dele está muito doente, passando por tratamentos rigorosos. Os colegas da escola agem como se ele fosse invisível, exceto por Harry e seus amigos que o provocam diariamente. A avó de Conor, que não é como as outras avós, está chegando para uma longa estadia. E, além do pesadelo terrível que o faz acordar em desespero todas as noites, às 00h07 ele recebe a visita de um monstro que conta histórias sem sentido. O monstro vive na Terra há muito tempo, é grandioso e selvagem, mas Conor não teme a aparência dele. Na verdade, ele teme o que o monstro quer, uma coisa muito frágil e perigosa. O monstro quer a verdade. Baseado na ideia de Siobhan Dowd, Sete minutos depois da meia-noite é um livro em que fantasia e realidade se misturam. Ele nos fala dos sentimentos de perda, medo e solidão e também da coragem e da compaixão necessárias para ultrapassá-los.

Desde a descoberta da doença de sua mãe, Conor se tornou uma criança solitária, excluído pelos amigos e ignorados pelos professores, que sentem pena da situação que ele está passando. Para piorar a situação, todas as noites ele tem um terrível pesadelo, que ele esconde de todas as pessoas.

Até que um dia, quando acorda assutado com o tal pesadelo que o persegue toda noite, ele se dá conta de que o velho Teixo que fica próximo de sua casa, se transforma em um gigantesco monstro, fazendo que que o garoto duvide se é real ou apenas mais um sonho. Mas as provas sempre ficam em seu quarto, folhas e pequenas frutinhas que jamais poderiam entrar por uma janela fechada.

– Mas o que é um sonho, Conor O’Malley? – perguntou o monstro, abaixando-se para que seu rosto ficasse próximo ao do menino. – Quem pode dizer que a vida real que não é um sonho?

O Teixo conta três histórias para Conor,  a primeira história é  sobre um príncipe e uma bruxa,  a segunda sobre um boticário e um pároco, enquanto a terceira é sobre o homem invisível que queria ser visto.

– E então um dia o homem invisível decidiu: eu farei com que me vejam.

– Como? Como o homem fez isso?

– Ele chamou – disse – um monstro.

As histórias não fazem muito sentido para Conor, mas são metáforas ligadas á todos os problemas que ele está vivendo naquele momento. Sua difícil relação com a avó, a falta  do pai, que mora em outro país com a nova família e o do sofrimento da sua mãe. O monstro é uma criação de seus medos, e que de certa forma, lhe dá força e o encoraja a aceitar o que está prestes a acontecer.

– Queria ter cem anos. Cem anos para poder lhe dar.

O desenrolar dos fatos são de partir o coração. Fiquei pensando sobre o monstro e cheguei a uma conclusão; Todos temos medos e pesadelos daqueles que não contamos pra ninguém. Todos, sem exceção, criamos um monstro para extravasar, não é?

– Você pode ter a raiva que quiser. Não deixe que ninguém lhe diga o contrário. Nem sua avó, nem seu pai, nem ninguém. E, se você quiser quebrar as coisas, então, por Deus, quebre-as com vontade!

Esse livro é surpreendente e rápido, fiquei tão fissurada nele, que estava lendo lá mesmo na faculdade. Contudo, deixei as ultimas páginas para ler em casa, já que meu olhos estavam marejados de lágrimas.

Amanhã pretendo assistir o filme, quero ver se é tão emocionante quando o livro.

4 Comentários